segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Dos espaços vagos que desenrolam na mesa do jantar, o diálogo truncado das cartas código morse, zenit polar e todas as máximas que terminam presas nos espaços alveolar do céu e do mar da boca. Acorda de manhã, boca de hortelã, mesa posta pro café sem pão - vitamina de banana verde pra você. Bebe tudo até o fim, só pra ter certeza que você gosta de mim. No almoço não está e o coração duro fica sóbrio e a palpitar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu blah blah blah aqui: