terça-feira, 30 de julho de 2013

2oses

Ajusto a luz pra você enxergar o menos possível. Menos da minha cara cansada da semana, menos do meu trabalho, menos da minha maquiagem mal feita na pressa de ir abrir a porta. Desci quatro andares com a fúria de um lobo que passou a semana mastigando a fome. E subi quatro andares no ritmo da valsa, mas ao som de um jazz arrastado. Quatro afagos e três passos, ou menos. 

Acho que a luz foi planejada pra que eu pudesse enxergar o menos possível. É bom, já que agora de perto eu não preciso imaginar e o tato faz todo o trabalho. Os quatro andares pareciam que iam levar metade da minha vida pra chegar até o quarto. Tinha a boca na fonte e a sede parecia não cessar, sempre tinha mais, e sempre tinha mais da fonte. Que se foda a música que tocava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu blah blah blah aqui: