segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

5:25 a.m.


     Alice não conseguiu dormir, então se levantou de madrugada fez um chá verde e sentou no sofá da sala pra esperar o sol entrar sorrateiramente naquele apartamento frio pela janela, como um ladrão. O gato, ainda filhote, que acordara quando ela desastradamente bateu a leiteira com água no fogão agora estava andando de um lado para o outro sobre o encosto do sofá se espreguiçando. Ela estava tão perdida em seus pensamentos sobre tudo o que acontecera nos últimos dias que quase não notou que a luz do corredor acendeu. De repente um bilhete corre por debaixo da porta. Assustada esperou que a luz se apagasse, ouviu a porta do apartamento ao lado se fechando, e então foi ver o que estava escrito:

"São 5:25 agora, estou indo dormir, pra variar pensando em você... só passei aqui lembrar você, Alice, que eu te amo. Não te amo com um sentimento descartável. Eu sinto como se você fosse minha calma, as palavras que preciso ouvir, a voz, o tom dos risos que meu ouvido tem fome. Eu te amo como minha amiga, como minha mulher, como minha confidente, eu te amo da forma mais simples que Deus quer que um homem ame uma mulher, pro resto da vida... Só quero agredecer por ter você na minha vida, meu amor."

4 comentários:

  1. Não sei não hein SUADHIASUDHIUASDHIH [brincadeira]
    AAAAAH, eu fiquei aqui imaginando a cena; muito lindo o post *-*

    ResponderExcluir
  2. Não sei não hein SUADHIASUDHIUASDHIH [brincadeira]
    AAAAAH, eu fiquei aqui imaginando a cena; muito lindo o post *-* 2

    Sua linda! s2

    ResponderExcluir

Deixe seu blah blah blah aqui: