quarta-feira, 19 de maio de 2010

faxina.

  
Pingos caídos pela casa toda.
'é inútil!' - gritava uma voz zangada.
'é inútil..' - desta vez mais calma e compreensiva - 'eles não vem do telhado'
    Neste momento ela se senta na janela do ultimo andar e balança os pés ao ritmo de um folk que só estava na mente dela.
'querida, os pingos não são de chuva, são pingos de 'i's que não estão no lugar certo..'
     Ela suspira e olha as ferramentas erradas nas suas mãos. Martelo e pregos. Então corre para seu quarto, e de alguma daquelas gavetas - ninguém nunca soube ao certo de qual - pegou borracha e giz de cera, sim, giz de cera, porque tem cheiro de nostalgia, e nostalgia é a almofada certa pra confortá-la naquele momento, e também porque fazia tempo que ela não os usava.
     Então saiu correndo pela casa, começou do sótão, apagou alguns, recolheu outros, coloriu em lugares certos outros, deu vida à alguns, e matou a marteladas outros antes de apagar. Impediu pingos importantes de serem comidos por traças, de caírem da sacada do quarto e outros de serem simplesmente esquecidos. Passou pela sala, cozinha, banheiro e terminou no quintal.
     No quintal, cheio de grama, pés de galinha, carrapichos e dentes de leão esperando pra serem soprados.
     No quintal, sentada em seu balanço branco, com uma sacola cheia de pingos de 'i's quebrados e deformados.
     Pingos cheios de promessas de passeios e fotos não cumpridas. Promessas de fugas não feitas. Promessas de sal e de sol. E promessas de amor sem amor - essas últimas são as mais esmigalhadas.
     Então passou sua mão suada de tanto trabalhar na terra, para suja-las mesmo - de algum modo ficarem menos escorregadias - subiu no balanço, o mais alto lugar de seu mundo. Gritou algumas provocações risonhas para o vento, e quando ele ficou bem forte ela abriu a sacola e jogou tudo em cima dele.

-e ele jogou tudo bem longe.

3 comentários:

  1. Não tenho algo a dizer sobre esse texto exatamente, tenho coisas a dizer sobre Deborah Delancy... Até então uma amizade 'internetesca' que eu arrumei, mas a cada dia uma amizade mais verdadeira, menos virtual... Uma menina que é muito mais do que uma jovem branquela e blogueira, é uma pedra preciosa, alguém que ama, sorri, sofre, brinca e adora ao mesmo Deus maravilhoso que eu... Bem, não sou tão boa quando vc nas palavras Debby, mas saiba que vc tem se tornado especial pra mim, que Deus abençoe essa nossa amizade, minha madrinha de casamento ♥ rs

    ResponderExcluir
  2. Que Lindo amiga!*-*

    ResponderExcluir
  3. Sabe, seus textos são intensos.
    Me tocam, me exprimem...

    ResponderExcluir

Deixe seu blah blah blah aqui: