quarta-feira, 14 de abril de 2010

dons.

     
     Vejo dons lindos, jovens levando multidões por seu canto, letras e voz. Vejo mentes abertas, capazes e corajosas, arrastando pessoas por uma idéia, por vezes, nada eficaz.
     Vejo eles fazendo o que deveríamos fazer, vejo nos quietos sem o que dizer.
     Vi uma jovem voz forte que encantou ouvidos cantando um futuro, vi jovens mãos escrevendo aquilo que é agradável aos olhos e confortante ao coração, vi mentes abrindo olhos de outras mentes, e te garanto meu amigo, não eram jovens escondidos atrás de razões religiosas.
     Vi a arte, a bela arte do nosso Pai, desenhado por alguém que você não considera como nosso irmão, vi aqueles que você considera ser de um mundo inferior pintar os muros da nossa cidade, alegrando o meu vizinho, que não conhece ainda a minha verdade.
     Vi sorrisos nos lábios de um pobre homem que ouve uma canção sentado em sua varanda, sem emprego, sem dinheiro, sem ter o que perder ou no que acreditar, ele sorri pela canção que uma grande mente escreveu, e não foi a minha, nem a sua. E depois você me diz que canções vêm de pactos infernais? Ah, meu caro, o cantor desenha um sorriso no rosto de alguém que perdeu seu filho sem motivos, o poeta conforta o coração de uma mãe que perde aos poucos seu filho para as drogas, a arte faz sonhar a menina que um dia foi violada por seu próprio pai, e você vem me dizer que não são dons divinos?
     Eu não precisaria dizer, mas procuro entender hoje o motivo de criticarmos e selecionarmos tanto as manifestações artísticas, temo não podermos nos comparar.
     Será que passamos tanto tempo procurando provar o quanto as pessoas estão erradas que esquecemos de ser o motivo delas quererem mudar? Digo, porque aquelas pessoas que dizemos não conhecerem a verdade são justamente aquelas que são por multidões conhecidas? Por que elas são mais corajosas? Por que elas assinaram mais livros e cantaram mais canções? Se julgamos ser tão grandes, a ponto de nos isolarmos em um mundo que não seja o mesmo dos outros, por que são essas pessoas os excepcionais? Eles não conhecem o que conhecemos, mas tem suas canções cantadas pelo mundo. Nós temos os que eles não têm, uma certeza verdadeira, e... E então?
     Cansei de te ouvir, de te ouvir dizer o que eu devo ou não escutar, o que eu devo ou não assistir ou admirar. Pare, vamos aprender a fazer melhor que isso.
-os olhos lá fora esperam o que admirar, os lábios esperam o que cantar, as pessoas esperam mais que um super-homem, distante de qualquer pecado, elas esperam alguém como elas, amantes da arte e de tudo que o que é bonito, elas esperam mais que isso, mais do que criticas.

{Por Alessandra Pio}

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu blah blah blah aqui: