sexta-feira, 23 de abril de 2010

ela.


Era ela
com belos sorrisos e dentes,
com belas palavras e mentes,
pensadora ardente.

Era ela
com voz de menina,
mãos de irmã,
olhar de garota inteligente.

E lá vem ela
sorriso despedaçado,
como lágrimas bem derramadas,
dizendo que não foi tão bom.

E lá vem ela
chutando a calçada,
como golpes bem calculados,
dizendo que não está tão bem.

E lá vem ela
contando os pensamentos,
escrevendo seus desgostos,
caindo na decepção.

E lá vem ela
escondendo seus segredos,
pedindo ao menos uma chance,
algo a segurar.

E lá vem ela
seu mundo acaba de cair
seu coração esta certamente partido,
sua dúvida em evidência.

E lá vem ela
seu sorriso escondido,
esperando a tempestade passar,
não foi levada por qualquer um.

E lá está ela
sentada no chão,
tão menina por vezes,
tentando calçar seus sapatos de cristal.

E lá está ela
tentando se levantar,
tão mulher por vezes,
tentando se recompor.

E lá está ela
que não se deixou se comparar,
meninas sempre choram,
mas ela aprende.

Ela está lá agora
entregando seus pedaços a Deus,
sendo humilde,
apagando seu caderno mal desenhado.

Ela está lá agora
sendo ela mesma,
desgostosa de sua aventura,
contente de sua força...
e de seu Deus.

{ por Alessandra Pio, para mim }

Um comentário:

Deixe seu blah blah blah aqui: