sexta-feira, 30 de abril de 2010

e derrepente, não mais que derrepente,


É dificil saber como é se sentir pequena e insignificante, e como isso dói em partes que você nem sabia que existia.
E que não importa quantos cortes de cabelo faça, ou qual academia frequente, ou quantas garrafas tomou com as amigas.. você continua indo para a cama todos os dias, repassando todos os detalhes.
e se pergunta o que fez de errado, ou como pode ter entendido tudo tão errado? Ou como por aquele momento pensou ter sido tão feliz? Até se convence de que uma hora ele vai perceber e bater em sua porta.
E depois de tudo, ainda que essa situação tenha durado muito tempo.. você vai para um lugar novo.. e conhece pessoas que te fazem sentir útil de novo.
E vai recompondo sua alma, pedaço por pedaço.
E toda aquela confusão, o tempo desperdiçado da sua vida .. começam a desaparecer.

{filme: o amor não tira férias / the holiday}
{foto de Erick Sene}

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu blah blah blah aqui: