sábado, 23 de janeiro de 2010

coreografia.

Era de um abraço quente e apertado.
De um tamanho perfeito.
De um tipo que te faz apertar os olhos
-e o coração.

Era de uma lembraça verde.
De uma dança contada.
De uns giros seguros
-sem medo do chão.

Era de um impedimento explicito.
De uma força enjaulada.
De um ciume embutido
-sem razão.

Era de uma frustração insana.
De um choro mascarado de riso.
De uma afeição sem sentido
-sem solidão.

Eram sempre três dias finais e uma noite.

De uma trilha sonora que mudou e acelerou tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu blah blah blah aqui: